ROTEIRO DE FÉ E DE PENITÊNCIA
Provem da fundura dos séculos, quase a completar 500 anos, a tradição micaelense dos Romeiros - única nesta ilha e no Mundo - reveladora de prolongadas décadas de angústia e desolação, no sobressalto dos sismos e no delírio dos vulcões,entre nuvem de cinzas e torrentes de lava ígnea e devastadora.
Roteiro de Fé e de Penitência, na longa quadra quaresmal, praticada por uma multidão piedosa e anónima, em que todos são irmãos e iguais, deixando as famílias e as comodidades, voltando costas a interesses e conveniências do dia-a-dia, de bordão e xaile, cevadeira ao ombro e rosário pendurado, para atravessar São Miguel de lés a lés, durante sete dias, por caminhos, atalhos e carreiros quase desconhecidos, no silêncio das madrugadas, na aspereza dos temporais e nos vigores da caminhada, parando e orando em todas as Casas de Nossa Senhora - e enchendo os corações e as ruas com o coro lento e revigorante da Avé-Maria, Cheia de Graça“.
Bem andou João Freitas, jovem fotógrafo e bom observador, surpreendendo na sobriedade e contrastes do preto-e-branco um impressionante desfile de corpos e almas, entre a chegada e partida dos Ranchos, entre claridades e sombras, numa afirmação de Fé vigorosa e de Penitência assumida repete-se sem constrangimentos nem respeitos humanos, mesmo perante o sorriso dos indiferentes e dos considerados espíritos superiores...
Manuel Ferreira